Horário de Funcionamento
das 13:00 às 19:00
Rua Moisés de Oliveira, 210
Rio Bonito - Irati, PR

Canalizações - By Ben daijih

CANALIZAÇÕES

Seleções / Textos proféticos e Outros

por Ben Daijih

 

(01)


"À (ela), à VERDADE, nada há o que acrescentar-se oudela retirar-se. A questão é que ela, a VERDADE, não vive mais na Terra e nementre seus habitantes ela vive. Perdeu-se nos cantos escuros e úmidos do mundoonde tem sido malevolamente escondida pois, do contrário, se prevalecesse, nadasobraria para seus usurpadores. Mas ficai vós sabendo, para sempre: ela viveperfeita no CORAÇÃO de cada um, lá onde o Coração de Todos se fazem um só eleva o nome de IAOM. Isso posto, vos afirmo, resta – em relação à ela, àVERDADE - apenas aguardar o DIA no qual ela voltará à LUZ. Nos dedos de vossasmãos e de vossos pés, por muito pouco, não podereis contar um a um o tempo quefalta para esse DIA DE FESTA. Mas acontecerá tudo como num parto e haverá muitador. A CRIA, entretanto, vingará. — Hámara Dídi (Interplanetário Dzariman), porBen Daijíh / 25 março 1987.

 

(02)

 

"Uma luz em cada lugar, que seja, haverá de bastar. Emvolta delas providenciarei grandes espelhos e, como faróis sem par, elasguiarão minhas naus até que a noite se dissipe e o dia conheça sua AURORA.Incessante, mais uma vez, será a labuta nossa entre vós, visto que os incautosde sempre estarão eles todos entre vós, novamente. Não tendo eles feito suaspróprias escolhas, a VIDA as fará por eles, à revelia de suas melhores opções.A favor deles não há lei que nos permita obrar, a não ser sob estreitoslimites. Quem fizer a tempo suas escolhas optará pela PAZ e conosco poderãoconviver. Quem não se der esta oportunidade terá escolhido o DESESPERO e a maiscortante das AGONIAS. " / 08 ago 2002 - Issa Aresí, por Ben Daijih.

 

(03)

 

"Vossos mapas terão de ser outros, porque os maresterão mudado os seus leitos, os rios estarão correndo em outras direções, asmatas estarão nos desertos e os desertos terão invadido vossas florestas. Mastendes certeza: a VIDA não perecerá, porque ela não é deste ou daquele mundo,mas de si mesma ela provém, como vós, que tendes em vós mesmos vosso princípioe vosso fim." / Mabi Isa, por Ben Daijih – 11 fev 1975.

 

(04)

 

"A vossa geração verá todas essas coisas acontecerem,porque assim faz-se necessário, visto que o DIA (que a todos foi PROMETIDO edesde muito tempo tem sido ANUNCIADO) chegou e, com ele, o vosso ASSOMBRO porconta do quão claro vos parecerá, então, a prisão sob a qual vós tendessuportado viver as vossas, em realidade, tristes vidas."

 

(05)

 

"Quereis ser justos com os animais? Libertai a todoseles do cativeiro, pois vossos escravos têm sido eles há milênios. Tirai todoseles de vossas mesas, de vossas limitadas casas e quintais, dos pastos e dosabatedouros, dos zoológicos, dos laboratórios e das vossas coleções de caça.Devolvei a eles a vida junto à natureza, donde nunca deveriam ter sidoroubados. Deixai à própria sorte porque vossos cuidados são egoístas e não têmoutro propósito que não o de aliviar vosso espírito da prisão na qual vóstendes levado a vossa própria vida e da estafante mediocridade de vossasocupações. Deixai-os à própria sorte, sim, para que possam de novo restabelecero equilíbrio perdido, pois onde o cercado (criadouro) e a ração fez de um sópar (casal) um cento inteiro, não há mais vida, se não uma criação de malesque, um dia, muito em breve, conhecereis entre vós, no meio de vossas casas,bem fora das cocheiras e bem longe dos criadouros. Isso vos bastará para quepossais vos lembrar que o mundo a eles pertence e não a vós, óh incautosviajantes do espaço." / Moláki, por Ben Daijih - 11 ago 1986.

 

(06)

 

“A Nossa simples presença vos chamará, enfim, à razão, desorte que, abertas todas as feridas, não restará ao mundo, em breve, nada maisque um grande espelho onde cada semblante, cada povo, cada nação, cada governo,cada etnia estará a mirar-se, amargando tardiamente o tempo perdido, a obrainacabada, o juízo tecido, a ajuda negada, a mentira plantada, a culpa sentida,a carne ingerida, o medo vivido, a violência imposta, o amor negado, o tetodevido, a terra demarcada, a floresta queimada, o prato vazio, a vidaextirpada, a feiúra admitida, a impunidade mascarada e a fronteira assinalada.Vossos rostos, Irmãos, vereis com clareza, estarão desfigurados.Irreconhecíveis eles estarão, Irmãos” / HÁMARA DÍDI, por Ben Daijih, aos 13 set1999.

 

(07)

 

"Entre vossos conceitos que ora tanto estimais está ode "qualidade de vida". Vosso sistema priva a todos de tudo o que émais essencial à VIDA como ela precisa e deve ser de fato VIVIDA e substituiessas ausências com arremedos e ilusões diversos e, dentre eles, os apelos aoconsumo, a idéia de que o poder está no TER e não no SER, pelos certificados devossas equivocadas academias e com palavras, melodias e imagens tão fáceisquanto vazias, para que com seus arranjos não tenhais que se incomodar. Para quenão possais mais tarde alegar ignorância, deveis saber desde agora que emrealidade eles, vossos certificados, medem em realidade o quão distantes estaisde vós mesmos e da UNA CONSCIÊNCIA que tudo move e objetiva. Quanto maior avossa coleção, mais longe estareis do verdadeiro SABER. Melhor seria deixar delado as grandes cidades e buscar as montanhas, o sol e a água puros, o arlimpo, o alimento perfeito, a morada singela, o traje espontâneo e uma tãorústica quanto criativa oficina de utilidades, bem como as energias marcadaspelo pulso da VIDA no ritmo do CENTRO DE VOSSO SISTEMA SOLAR para que possaisresgatar o que devíeis entender como VIDA, dando novo sentido, também, ao quechamais de QUALIDADE. Creiais, pois, não sabeis nem o que é QUALIDADE nem tampoucoo que é VIDA. Enquanto no vosso mundo não ficar PEDRA SOBRE PEDRA insistireispara que, em vez de vós, mude eu de opinião. É, pois, em razão de vossacegueira que a PROVIDÊNCIA, dentre outras obras, reconduzirá os rios, mudarádos mares o seus leitos, tirará das montanhas a sua altura, do fogo osobstáculos, dos vales a sua verdura, do gelo o seu frio e das águas a suaquietude." (Mabi Isa — 24 jun 2001 — por Ben Daijíh).

 

(08)

 

"Aproximo-me de você para falar-lhe do significado quecabe à expressão "o fim de todas as nações". Estão ruindo, mas antesque caiam as fronteiras que marcam as jurisdições entre cada um dos países doseu mundo, outras divisões desaparecerão, porque há de prevalecer nos coraçõesde todas as mulheres e homens da Terra um sentimento jamais experimentado.Renascerá uma percepção há muito abandonada e que devolverá a cada um não osentimento de pertencer a uma humanidade planetária, ou mesmo cósmica, mas umoutro, muito mais antigo e transcendente, que é aquele ao qual me refiro como osentimento do "não-pertencer". Para que seu entendimento possa serpreciso, olhe para uma semente de uma fruta. Veio ela do fruto, que veio daflor, que se abriu dependurada no ramo, que pertence ao galho ligado a um fortetronco enraizado ao chão. Ultimamente lhe tem sido possível compreender sualigação com a árvore. Agora, olha para frente e para o alto. Seu coraçãocomeçará a experimentar a liberdade da "semente" que, doravante, vaiela, liberta, buscar seu próprio solo para, quando for o dia, germinar, dandocontinuidade ao Eterno e eternidade ao Ser. Sim, essas fronteiras internastambém ruirão, as fronteiras do entendimento e da visão limitada por umapercepção miúda da realidade. Com a superação desse estágio haverá no mundo,então, as condições ideais para que todas as demais fronteiras, as de caráterexterno, que aprisionam o Ser, cerceando-lhe o livre desenvolvimento, possamruir, e ruir em paz. São essas as "nações" às quais se referem astradições. No linguajar de seu presente momento, melhor seria que a palavrafosse "instituições", como parte do que o pensamento de seu tempochama de "o grande sistema". Assim, ruirão o estado, a moeda, aescola, o governo, o trabalho remunerado, a certificação e a autoria, ocomércio, as leis, a autoridade de poder e as nações constituídas. Outrasestruturas se levantarão, desta feita não para cercear, mas para garantir aliberdade em seus mais verdadeiros fundamentos. Serão elas, essas novasestruturas, como que diáfanas, consolidadas no plano dos comportamentos, dasatitudes e das percepções individuais e coletivas, nascidas não na mente, masno coração, onde estão elas, desde os primórdios, delicadamente preservadas.Tão leves serão que só se manifestarão quando as necessidades ordinárias,relativas à vida comum, ou as necessidades extraordinárias, ensejadas porconvenientes re-acomodações de tenções, se fizerem presentes. Sim, o País ondevocê nasceu (Brasil), como todos os demais, verão suas fronteiras internas einternacionais desaparecerem, até porque não passam de convenções, embora aindanecessárias. Mas quando a vida na Terra se mostrar mais frágil do que já seencontra, delas todas não restará um metro sequer, pois ora o calor, ora ofrio, ora os ventos e os tremores de terra, ora as águas doces, ora assalgadas, ora a fome, ora a abundância, sem qualquer aviso, determinarão outrosvalores aos grupos remanescentes entre todos os povos de todos os continentes.O aprendizado será definitivo, tão definitivo quanto aquele que ora acontece naintimidade de cada um, onde o medo, a alegria, o prazer, a dor, a solidão, aculpa, a tristeza, a raiva, a inveja, os ressentimentos e as mágoas, bem como odesejo de viver e de resgatar a dignidade e sua auto-estima, sem respeitarfronteiras, estão ensinando a você que você é um só, e não muitas partes, masum só e indivisível SER, uma unidade inviolável e indestrutível, uma SEMENTE,um Hamna." / Ben Haddad Bíbi, por Ben Daijih (Curitiba-PR 02 nov 2000)

 

(09)

 

“Anotai, para que não possais dizer um dia que dessas coisasnão fostes avisados: haverá lugares de terra firme que, mesmo a 640 medidas(metros) de altura, conhecerá água salgada. Nesse tempo uns não saberão dosoutros. Cada lugar terá seu céu e seu inferno. Antes que possais estar vivendoessas coisas, haverá SINAIS. Dia a dia eles estarão vos anunciando que a HORAestá próxima. Se contra eles (os SINAIS) vossos argumentos persistirem, tudo seprecipitará. Nesse caso, antes sequer que todos eles (os SINAIS) vos possamchegar, os MUROS de vosso mundo ruirão, sua cobertura cederá, vosso chão vosfaltará e vosso pânico vos consumirá. Se escolherdes esse caminho, ou essasolução, restará apenas, no meio de tudo e no meio de todos, uma PERGUNTA: porque de si mesmos gostam tão pouco?? No sétimo dia, entretanto, haverá umatrégua e ela não conhecerá seu fim. A vida mostrará sua força, a natureza seacomodará e um paraíso que já existia começará a raiar no horizonte, enquanto aTerra estará mergulhando em si mesma, reencontrando-se com seu Caminho de Luz,outrora dela afastado por obra da PERFEIÇÃO” / MABI ISA, por Ben Daijih – 04maio 1971.

 

(10)

 

“Os mistérios que o tempo e as brumas de vossas almas têmescondido de vós perdurarão até que o trono (Papado) ceda pela penúltima vez(João Paulo II). Quando o imprevisto for passado, entretanto, e o fogo seapagar e for ele também esquecido nos palanques do mundo, outras cores passarãoa reinar na Grande Casa (Vaticano). Deveis saber que daí por diante o relógiodo tempo não será o mesmo, porquanto girará ele sem dar-vos trégua alguma,incomodando a vós e aos seus de dia e de noite. Vossos anos vos parecerãobreves demais embora, vos asseguro, rápidos também serão os resultados dosesforços nesse tempo empreendidos. Mas não deveis olhar para trás, nem para oslados deveis olhar e nem distraídos com as revelações que se sucederão devereisficar, pois elas estarão desde então incomodando muito amiúde, e com muitoalarde, às inverdades e aos seus atuais protetores, elas (inverdades) que entrevós se foram aos poucos em segredo se estabelecendo. Segue no rumo traçado eedifica em vós e no chão do mundo o que entre Nós todos perdura como um sócompromisso (Rede Aurora). Isso tudo porque se anunciado foi que os dias seriamantecipados, antecipados serão eles, os dias.” (Issa Aresí, por Ben Daijíh, aos9 de julho de 2004).

 

(11)

 

“Escutai: enquanto os dias se vão assinalai nas montanhas umlugar entre 12 e 72 quadras, não mais, e guardai suas terras com amor. Ele nãopoderá vos custar muito, porque por elas quem muito pedir já terá o seu lugar,não sendo necessário, pois, que vós tenhais de perder vosso tempo com ele. Seuslimites deverão estar longe do mar, das grandes florestas, dos rios demasiadoscaudalosos e de grandes blocos de rocha viva, e acidentado deverá ser seurelevo. Edificai para vós e para os vossos e guardai fechando um anel o chãodemarcado para que outros, quando chegarem a vosso convite, também possam elesconstruir, à semelhança do que escolherdes fazer para vós (módulos). Sela ocentro (pátio central) para nossos encontros, pois de certo aí um diaconviveremos face a face, e descei a colina com o cultivo em nível, a estufa, otanque, o pequeno criadouro e a irrigação. Não deveis criar domésticos nemanimais de corte e leite, nem roedores. Mas a pequena ave poedeira (codorna),sim (1) o peixe, sim (2) e a abelha, sim, dentre outros mais que cabem na mão(rãs, escargot e minhocas, por exemplo). Assim, de certo, de fora estará o cão,o gato, a cabra, o boi, a galinha, o porco e o cavalo. Cuida para que a água dafonte permaneça limpa, guarda mantimentos, ferramentas, reparos e materiaisúteis, e o que mais vós entenderdes recomendável, pois será tão grande o calorquanto grande será o frio, no mesmo dia, bem como inesperadas as necessidadesfuturas. Vide e ouvi, atentamente, sobre o que se passa no mundo (Rádio,televisão e Internet). Quando a colheita começar a bastar, ou quando não vosrestar outra alternativa para que possais viver, ide embora. Deixai a cidade eaguardai. Quando Eu vos falar desses recantos referir-me-ei como que a um“porto”, pois de fato um dia serão, abertos a todos os céus, e o que cada um devós puderdes fazer para que eles sejam numerosos, quiçá em todos os recantos devosso mundo, façais, mas não deveis revelar as vossas soluções àqueles que nãocompreenderem o valor que elas têm.” / MABÍ ISA, por Ben Daijih.

 

(12)

 

"Vossas vidas em sociedade vos permitem obrar em largaescala para que as necessidades do coletivo possam elas ser atendidas. Mas aconstrução de vós mesmos estará se dando essencialmente graças àqueles que, aolongo dos vossos dias, estarão convosco, bem de perto. Se um ou outro seafasta, um terceiro e um quarto se achegará. Sois em realidade como flores,onde cada um de vós é uma pétala. Esse é o caminho que leva ao fruto e que ATODOS VÓS transformará numa semente. As multidões são o húmus da floresta ondevicejam as árvores que vos conectam ao chão vivo e vos elevam ao céu parareceberem a luz do Sol, mas os que vos rodeiam no dia a dia são os que vosregam as raízes e vos podam os galhos. É certo, pois, dizer-se que o OUTRO é ocaminho mais direto que vós podeis encontrar para chegar a Vós mesmos, àintimidade do Vosso SER. A experiência irá vos ensinar, entretanto, que nemsempre esse OUTRO vos reconhecerá da mesma maneira. Em sendo assim, constatadoo fato, evitai essa (triste) alternativa. O caminho da dor, aquele ao qual essatrilha de certo vos levará, não lhe fará melhor, visto que é falsa a concepçãode que a dor faz Homens e Mulheres serem melhores. A dor e sua aceitação apenasvos condicionará à idéia de que arriscar não vale à pena." — Issa Aresí /23 para 24 de maio de 1999 / por Ben Daijih.

 

(13)

 

"O Amor Cósmico entre os humanos da Terra só serápossível entre Vós quando todos perceberem que a chave para realizá-lo é oordenamento por afinidade, em escalas sucessivas de ordem de grandeza. Aafinidade, deveis saber, é a Luz que está sempre a vos guiar, não para aexperiência da Dor, porque nada ela vos acrescentaria, mas para a vivência doAmor, caminho certo para a mais plena das realizações do Ser: aDIVINIZAÇÃO." — Issa Aresí, por Ben Daijíh / maio de 1999.

 

(14)

 

— "Mestre: qual a condição humana mais dolorosa quealguém pode experimentar?

— A solidão, Filho, ... a solidão de si mesmo e a ausênciados outros em nossas vidas, mesmo quando ela nos alcança nas grandes povoaçõesou, por outro lado, nos abraça quando estamos a viver sozinhos nas montanhas,afastados dos vilarejos, dos acampamentos e dos caminhos dos peregrinos e dostropeiros.

— E como alguém pode chegar lá?

— Falando maldosamente sobre o que não sabe, não viu, nãoouviu, não sente e nem presenciou a respeito de uma terceira pessoa.

— E há algum peso, Mestre, que um ombro não possa carregar(sem muito arquear-se)?

— Sim

— Qual seria ele, Mestre?

— Viver além de seu tempo e do seu lugar.

— E pelo que vale a pena morrer, Mestre? Há algo que valhatanto assim?

— Sim, Filho, ... de certo que há!

— Morrer por um grande amor, por exemplo?

— Não, Filho,... Não... até porque por um grande amor agente deve viver e não morrer, não é certo?

— Sim, Mestre, é verdade. Mas que resposta, Mestre, tuterias para me dar, nesse caso: pelo que vale a pena morrer?

— Só vale a pena se morrer pela VIDA."

 

(15)

 

"Voa e, vendo tudo lá do alto, assinala um plano.Retorna, então, à tua gaiola e caminha segundo o traçado feito. Quando teocorrer uma insistente dúvida, abre tua gaiola e volta a bater tuas asas paraconferir o rumo. Não deves tu esquecer, no entanto, que só no chão poderás darpassos que de fato estarão a te levar para o futuro escolhido. E lembra: nãopode acontecer em ti, ou em quem quer que seja, o que tu ouves chamar deDESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL. Sois ESPÍRITO PERFEITOS ,sim, não cabendo, por essarazão, que tu te dediques a melhorá-Lo. Teus esforços, e dos demais, é paratrazer para o chão de teu mundo essa imorredoura PERFEIÇÃO." / Mabi Isa.

 

(16)

 

..." Quando a natureza se insurge e está a mostrar suaforça, podeis melhor avaliar o poder que a VIDA tem para, quando o certo DIAchegar, restaurar o espaço que dela tem sido usurpado. Eleva à sétima potênciae, então, podereis estimar a força restauradora do NOME do qual vos tenhoamiúde falado. O NOME que, sim, VOLTARÁ, em breve, a ser entre todospronunciado. O NOME e a quem pertence o MAIS DIGNO OLHAR QUE SOBRE A TERRA JÁPOUSOU." / Issa Aresí, por Ben Daijih, aos 11 out 2005.

 

(17)

 

"Quando aos milhares nossas estrelas caírem do CÉUdesabarão também de vosso OLHOS todas as lágrimas jamais choradas. Vereis, comclareza, enfim, o tamanho do desafio que diante de vós mesmos fostes capazes decolocar e porque ele, embora tão imenso, foi aceito por vosso MESTRE. Se alargura da vossa coragem e a grandeza de vosso espírito não comportasse talempreendimento, tal DESAFIO a vós todos seria negado realizar. Nesse dia, o DIADA VITÓRIA, tereis entendido uma parte do que um dia a todos foi dito:"sois deuses e não sabeis." – Issa Aresí, 24 fev 2006, por BenDaijih.

 

(18) — Postada aos 03.07.2008

 

"Não há meio termo, porque a Lei do Amor não conhececoncessões. Sois, sim, livres para escolherdes entre o vosso próprio destino,aquele sobre o qual vós tendes tecido a vossa EXISTÊNCIA, e o destino COMUM aoqual todos serão, inexoravelmente, encaminhados entre os dias que estão porchegar entre vós, sem avisos, em todos os recantos de vosso mundo. Uma escolha,é certo, terá de ser feita e se dela não fores o autor, lavrada será ela pelascircunstâncias nas quais vossos horas estarão mergulhadas. Se, ao contrário,tiverdes tomado para si a definição do vosso rumo, vereis que as circunstânciasvos serão modificadas a vosso favor e entre os obreiros das devidasprovidências, estarei Eu mesmo. Se, ainda assim (porque vos compreendo nasdificuldades...) estejais em dúvida sobre quem, ou o quê, vos definiu o NORTE,olhai a vossa volta e atentais para o que estais a obrar: se for a vossaprópria casa, o vosso refúgio, a vossa proteção e a vossa segurança, aí nãopoderei estar, pois altas demais Me parecerão os muros. Se a obra estiver sendoerguida em nome de todos, aí sim, ainda que murada, desde o primeiro de seusdias, ali estarei, vigilante." (Issa Aresi, por Ben Daijih, aos 23 dejaneiro de 1998)

 

(19)

 

"A LUZ DO MUNDO tem olhos cristalinos, coração nobre,alma pura e transparente, sim. É por essa razão que firmes são suas mãos,determinantes as ordens que lhe partem da boca e certeiras a suaspalavras." (Issa Aresi, por Ben Daijih, aos 28 de agosto de 2001).

 

(20) — Postada aos 03.07.2008

 

A "forma" passa para que o "espírito",liberto, possa retornar e, assim, avançar mais ainda em seus cíclicos processosde auto-revelação, até que se externalize o "fator-individualizador"de sua identidade cósmica. Nesse processo, ele (o "espírito"), munidode uma personalidade a mais adequada possível às demandas que deseja versuperadas, participa da elaboração sistêmica de civilizações que, a rigor, sãomeros contextos que o instrumentalizará (ao "espírito") e garantirá(a ele) suporte a seus projetos. Quando tais civilizações, ou contextos, deixamde ser adequados a tais fins, a essência ( o "espírito") migra paraum outro orbe (mundo), ou a civilização com a qual vinha interagindo, estejaonde estiver, entra em colapso, natural ou artificialmente, e  morre, libertando a ele e a todos os demaisprotagonistas, para uma nova oportunidade coletiva. Da mesma forma como osindivíduos reagem à morte de seus corpos físicos, as civilizações, atravésdaqueles que a dinamizam e a vivem, também o fazem, tanto mais quanto na almade seus artífices está enraizada, por qualquer motivo, a equivocada idéia deque a morte de seus envoltórios na fisicalidade põe fim a suas essências. Écerto, pois, que, quando vencida uma civilização, melhor é dar início a umanova, mesmo que o colapso do velho contexto lhe atrapalhe os primeiros passos.Tentar salvá-la (à velha civilização), sob qualquer alegação, ainda que plenade boa vontade e esperanças de sucesso, equivale a garantir uma sobrevidaclínica a quem já deveria ter partido." — Adrimon (Issa Aresi), por BenDaijih, aos 15 de outubro de 1997.

 

(21) — Postada aos 05.07.2008

 

"Nesses tempos (que estão por vir) estarão (todos vós),sim, em busca da última novidade e não da Verdade, pois essa procura não podeser empreendida por quem ainda não ousa andar sobre as próprias pernas. AVerdade não é uma informação e não é algo, a rigor, sobre a qual se devaempreender uma busca, porque em algum momento teria sido ela perdida, ou porela alguém vos obrigou a encontrar. Afirmo-vos que em realidade ela (a Verdade)é um ESTADO DE SER e diz respeito à própria disposição de cada um parabuscar-se a si mesmo para que, diante de si mesmo e, assim, perante a VERDADEque a tudo subjaz, ele próprio se revele e tenha à mão sua inabalávelIDENTIDADE, único PORTAL para o INCOGNOSCÍVEL em Si mesmo. Assim, por acreditarque mais útil isso vos será, agora e sempre, entendi por bem vos ocupar com aseguinte questão: não estareis vós em realidade em busca daquilo que vos temsido ocultado pela ignorância de todos e a má fé de uns poucos a propósito doque de fato sóis vós, onde estais, de onde viestes, quem por vós tem zeladoamiúde e curado dia e noite em nome de vossos numerosos guias, mestres ementores, anjos e deuses, e para onde, enfim, vosso destino vos carrega enquantona Terra, por omissão e comodismo, tendes vivido e consentido viver envoltonuma só e grande MENTIRA?? (Issa Aresi, por Ben Daijih, aos 22 de março de2004).

 

(22) — Postada aos 05.07.2008

 

"Buscar a si mesmo só tem um nome e uma estrada:perder-se na luta para que a VERDADE prevaleça, no mundo todo e dentro de cadaum, sobre a MENTIRA. Verdade essa que, para vós, desde muito no tempo(milênios) e no espaço (geográfico), tem sido apenas, a rigor, uma lista deconveniências, se não conveniências vossas, para o bem de vossos sentidos, oude alguém que pensais amar ou dela possuir o amor, conveniências daqueles quevos tem, sob vossa licença, imposto a vós todos, a cada uma de vossas gerações,um caminho de serviço, sim, duro e penoso, estafante, mas um caminho de serviçoa seus tão escusos quanto devastadores propósitos." (Issa Aresi, por BenDaijih, 28 de agosto de 2001);

 

(23) — Postada aos 05.07.2008

 

"Não deveis vos envergonhar de vossos semelhantes e dasabsurdidades que promovem no mundo, vos tirando o sossego, a paz e a segurança,vos impondo sempre mais e mais dificuldades e dissabores, porque são (eles) oque e como são porque em relação aos seus desejos (deles) sois (vós)iguaizinhos (a eles). A diferença é que os primeiros querem tudo para si, não poupandoesforços para que um dia assim seja, e os demais, entre os quais com certezatendes vos colocado, querem só para si o que têm. A diferença é que osprimeiros, aqueles que condenais pelo mal que causam a todos, ao mundo e ànatureza, sabem que eles só poderão realizar seu intento quando os demaisconseguirem realizar o prodígio de terem só para si o que têm, ou o que osprimeiros permitem, sub-repticiamente, que tenhais, com louvor! São, uns paraos outros, perfeitos no desamor, mesmo acreditando, de verdade, uns (osprimeiros) que sabem, com certeza, o que é melhor para todos e, os demais, que,sendo justos para consigo e os seus como acreditam que o são, a Deus estãodeixando o ônus de condenar, executar de morte e banir da Terra os primeiros,por conta de suas maldades. Afirmo-vos que se não edificardes na Terra, desdeagora, um mundo novo, ainda que no meio da podridão que estais a viver, vossosonho de verdadeira paz e harmonia não vingará nos domínios da Terra como emoutros já vingou. E, com certeza, se isso acontecer, por obra de quem quer queseja, de um só que seja, na escala que seja, não estareis entre aqueles quepoderão usufruir dessa paz e dessa harmonia, porque o que conta não é a crençaque tens ou que deixais de ter, mas o que essa crença, ou a ausência dela, oude alguma crença, de fato realiza, hoje, no mundo em que viveis. Se vossasobras estiverem marcadas por um dos dois entendimentos que vos sugeri (acima),muda vosso dia a dia e passa a obrar para o futuro, para o que viverá, e nãopara o que morrerá. O que é obrar para o futuro? Respondo-vos prontamente: éobrar para todos, em nome de todos, fazendo por "um" alguém que bempodeis ser, no primeiro dia desse almejado futuro, vós mesmos." (Mabi Isa,por Ben Daijih, aos 28/29 de agosto de 2001).